Como ganhar dinheiro com aplicativos?

Tempo de leitura: 8 minutos

Programação é simplesmente a profissão mais versátil que existe, e ganhar dinheiro com aplicativos é possível. O que você precisa saber, é onde estão as oportunidades.

Hoje eu vou falar sobre as 3 principais maneiras de se ganhar dinheiro com aplicativos e quais são as suas vantagens e desvantagens. No final do artigo eu vou falar qual a minha preferida e porque.

Nosso timeEmprego

Claro que para abrir essa lista eu tinha que falar do emprego tradicional, pois essa ainda é maneira mais simples e popular de começar a ganhar dinheiro com programação.

As vagas para trabalhar como programador em empresas não param de crescer.

Todas as empresas hoje em dia precisam ter um sistema de gestão para ajudar a administrar o negócio. Tem, também, que ter um canal de comunicação ou vendas com seus clientes que seja fácil e acessível via internet. E tem que ter sistemas que aumentem a produtividade dos outros funcionários entre outros.

Então seja você um desenvolvedor Mobile, Backend, Web ou etc. Tem uma vaga por aí com o seu nome nela. Se você quiser, claro!

O que você precisa fazer para aproveitar estas oportunidades, é vencer a barreira de entrada da experiência.

 

ovo_ou_galinhaOs iniciantes enfrentam o famoso dilema do “ovo ou a galinha” para se inserir no mercado.

Os empregadores exigem experiência mesmo para cargos juniores, mas você precisa da vaga para conseguir a experiência, não é mesmo?

 

Como ter experiência, se é necessário ter experiência, para ganhar experiência?

Lembra que eu falei que a profissão do programador é versátil? Pois é, nessa área tudo conta como experiência. Então o que você deve fazer é preparar um portfólio de tudo que você já fez. Mesmo aqueles projetos que fez enquanto ainda estava dando os primeiros passos vão servir a esse propósito. Assim você vai conseguir comprovar a sua experiência, mesmo sem nunca ter tido uma experiência formal, também conhecida como emprego.

 

Vantagens

  • Previsibilidade de salario.
  • Número de horas de trabalho limitadas.
  • Ajuda de outros desenvolvedores no ambiente de trabalho.

Desvantagens

  • Projetos que você não gosta.
  • Tempo para crescer na carreira.

 

Para quem é:

Se você está no inicio da sua jornada como programador, essa pode ser a maneira mais indicada de começar. As vantagens de ter um salario fixo, e ajuda de outros desenvolvedores, podem ser facilitadores no seu processo de aprendizado. E me parece interessante que alguém te pague para aprender não?

 

MomentoFreelancer

O Freelancer é aquele profissional que não tem um vínculo empregatício, mas que presta um serviço para alguém.

(Freelancer é o profissional. Freelance, ou Freela para os íntimos, é o serviço prestado pelo Freelancer)

Nos últimos anos essa modalidade ficou bastante em alta no mercado.

Com a explosão dos aplicativos, muitas pessoas, leigas em programação, começaram a ter ideias de possíveis negócios, mas sem ter o conhecimento técnico para tirar do papel, procuram um Freelancer para concretizar aquela ideia.

Além de ajudar pessoas a realizarem seus projetos, o Freelancer também pode atuar criando ferramentas sob demanda para empresas, como sites, sistemas e aplicativos.

O que não falta são oportunidades para pegar novos projetos. Tem de todos os valores e níveis de dificuldade.

 

Vantagens

Possibilidade de escolher os projetos você quer trabalhar.

Você faz seu horário, então pode ajustá-lo de acordo com sua necessidade.

Sendo organizado e competente pode pegar vários projetos e cobrar bem por isso. Aumentando seus ganhos.

Desvantagens

Precisa de organização para não perder os prazos.

É muito fácil cair na armadilha de trabalhar o tempo todo.

Sua renda é instável, então você precisa ter um bom planejamento financeiro.

Seus ganhos são limitados pelo seu tempo disponível.

 

Para quem é:

Se você sente que tem a habilidade necessária para esse tipo de trabalho, essa pode ser uma oportunidade de ter ganhos maiores com um pouco mais de liberdade que empregados.

Fique de olho para não pegar mais projetos que pode entregar, pois a sua reputação tem um papel importante em sua carreira como Freelancer.

Muitas pessoas conseguem viver uma vida nômade com esse tipo de trabalho, uma vez que você pode trabalhar de onde quiser, nada te prende há um lugar físico. Para quem gosta de viajar, é uma ótima oportunidade.

Se você quiser experimentar esse tipo de trabalho eu sugiro que pesquise sites como : Workana, Freelancer.com,  99freelas

 

Nota:

Tome cuidado com propostas “irrecusáveis”. Muitas pessoas fazem ofertas de projetos em troca de participação. Você deve ficar atento a essas propostas para não entrar em uma furada.

Pense no pior caso, a falha do projeto. O que acontece se o projeto der errado? Tudo tem que ser pensado e combinado antes.

Digamos que você fosse cobrar R$30.000 reais para executar aquele projeto. Se o projeto der errado, você perdeu esse dinheiro. Então nada mais justo que, no caso do fracasso, a outra parte também esteja envolvida com essa perda.

Ou seja, se o seu orçamento do projeto é 30k e o idealizador do projeto está lhe oferecendo 50% do projeto em troca do seu trabalho (sem lhe pagar nada em dinheiro). Então você deve exigir que a parte dele seja do mesmo valor.

Essa parte pode ser em aporte em dinheiro no projeto, que vai ser investido em marketing, ferramentas, etc. Ou pode ser em custo de trabalho como Design ou outros.

Se o seu sócio não irá ter o mesmo trabalho que você no projeto, ou não vai aportar nenhum dinheiro, você deve ter uma grande parcela da empresa. Caso contrário, caia fora pois é uma cilada.

Lembre-se uma ideia não tem nenhum valor, a execução dela sim.

 

IndependenteIndependente

Essa é a maneira que eu mais gosto de trabalhar.

É a mais emocionante, mais recompensadora, mas também é a que mais envolve o risco.

Quando você é independente você não tem ninguém para te dizer o que fazer e nem quando fazer. E esse é o primeiro risco que você corre, pois é muito fácil perder a tarde inteira assistindo uma maratona na Netflix e não fazer o que tem que ser feito.

Outro ponto é que, como independente, você terá que se especializar e se aprofundar em assuntos que fogem da área de programação.

Você vai ter que fazer o planejamento, a construção, o marketing e por fim a venda. E aí que mora o outro risco. Qualquer erro em qualquer uma dessas etapas pode ser a diferença entre ganhar R$10.000 ou R$1.000.000, e se o erro for muito grande pode ser o fim do seu projeto e nada de dinheiro no bolso.

Você tem total liberdade criativa aqui, e não existe uma regra definida de por onde seguir. Você pode criar projetos B2B, B2C, O2O.

Pode escolher criar um projeto pago, um projeto Freemium, um projeto com monetização através de ads.

Pode ser a assinatura de um serviço, um aplicativo ou um site.

O que importa aqui é resolver um problema real de um público especifico, algo que tenha valor para aquele público. Que eles possam utilizar todos os dias ou que estejam dispostos a pagar, ou que tenha muitos usuários.

 

Vantagens

Você é o dono do seu projeto e faz do jeito que você quiser.

Possibilidades de ganhos infinitos.

Realização de ver algo que você criou ajudando outras pessoas.

Desvantagens

Alto risco de o projeto não dar certo.

Durante a parte de desenvolvimento você não terá uma renda e poderá ter custos.

Uma decisão errada pode custar o sucesso do seu projeto.

 

Para quem é:

Se você tem um perfil de correr riscos, tem uma outra fonte de renda, almeja ganhos maiores, essa pode ser uma boa oportunidade para você.

Com esse tipo de projeto você também alcança a satisfação de fazer a diferença para um número maior de pessoas.

 

Encontrar

Conclusão.

As oportunidades estão aí para todos basta se decidir e olhar os lugares certos. Nunca foi tão fácil se tornar um programador e as oportunidades para quem já é um, são excelentes.

Eu gostaria muito de saber o que vocês acharam, e queria trazer a ideia de voltar com esse assunto, abordando essas 3 modalidades, separadamente, de forma mais profunda.

A gente poderia falar de salários para quem procura um emprego e oportunidades no exterior.

Poderíamos falar sobre como cobrar por um Freela, e como conseguir os projetos.

Outro assunto interessante é como eu defino os meus projetos independentes, quais ferramentas utilizo e como faço para transformar isso em uma fonte de renda.

Então eu peço para que você deixe um comentário falando qual modalidade se encaixa mais com o seu perfil hoje, eu qual você gostaria de ver mais discutida aqui no blog. E também que se cadastre para receber um e-mail quando houver novos artigos e outras novidades.

O assunto Startups ficou de fora, pois ele é um tópico mais complexo e avançado, mas se tiver comentários pedindo, eu crio um post só para falar disso.

Caso tenha alguma dúvida ou sugestão não deixe de comentar abaixo.

3 Comentários

  1. João Carlos Cordeiro

    Excelente artigo Igor. Tenho uma dúvida sobre monetização e queria ver se você pode me esclarecer. Desenvolvi um aplicativo para crianças de 2 à 7 anos e coloquei um banner de anúncios do Admob. Só de aparecer o banner no apk gera alguma monetização ou é necessário o clique no anúncio para isso ? Eu não coloquei banner intersticial pois o produto é para criança pequena. Outra coisa, como posso alavancar os downloads do produto ? Abraços e obrigado 😉

    Responder
    1. Igor Oliveira

      Olá João,
      Antes de mais nada gostaria de pedir desculpas por um erro meu. Eu vi sua pergunta lá na página do Facebook e criei uma resposta, mas olhando lá agora, percebi que por algum motivo a resposta não foi enviada. Vou responder novamente por aqui e prestar mais atenção da próxima vez. Mas sinta-se a vontade para entrar em contato pelo Facebook novamente, que você será respondido.

      Vou separar a resposta em duas partes. Uma sobre monetização Admob em si e outra sobre monetização de apps infantis.

      Quando um anunciante vai criar sua campanha, o Google permite que ele escolha algumas opções de estratégia. Dependendo da opção o Google irá cobrar por visualização, ou por clique. O que o Google para para o desenvolvedor, através do Admob, é uma parcela do que o anunciante paga. Isso quer dizer que se o seu app só mostrar 1 anunciante e ele pagar ao Google por clique, você só receberá se houver cliques. Caso ele esteja pagando por visualização, o montante que você receberá dependerá apenas das vizualizações, não importando o número de cliques.

      Respondendo sua pergunta, seu app provavelmente mostrará os dois tipos de anúncio. então se você não tiver cliques nos anúncios, você não terá ganhos para anúncios de anunciantes que pagam por clique. Não existe a possibilidade de você escolher mostrar apenas anúncios por visualização, pois é o algoritmo do Google que decide na hora qual anúncio vai mostrar.
      Existe até uma maneira de tentar aumentar o valor do CPM para seus anúncios mas no seu caso não seria a melhor opção. Vou falar mais sobre isso em um post futuro.

      Quanto a monetização de aplicativos infantis com anúncios, essa é uma estratégia arriscada pois, dependendo da faixa etária da criança, você terá muitos cliques acidentais. Se esses cliques tornarem a experiência da criança ruim, os pais podem preferir instalar um app concorrente. Talvez a melhor opção nesse caso seja você criar um app Freemium. O app seria gratuito com funcionalidades suficientes para que a criança se divirta, mas com a possibilidade de compra de uma expansão. Isso funciona muito bem para apps de conteúdo como o playKids.

      Quanto à alavancar downloads, esse é um ótimo tema e eu vou escrever um post inteiro sobre ele em breve. Apenas para adiantar, você deve escolher palavras chave que sejam interessantes para o seu público. Pense assim, “Eu gostaria que meu app aparecesse em primeiro lugar quando as pessoas buscassem por…”. Separe essas palavras chave e insira ela na descrição do seu app (Google Play) e no campo de keywords (App Store).

      Outra coisa simples a fazer, é criar ótimas screenshots. Esse é o momento de venda do seu app. Se seu usuário chegar a sua página para baixar seu app, mas suas screenshots e descrição não forem convincentes, ele irá embora.

      Existem maneiras mais arrojadas de se conseguir downloads mas eu vou guardar para o post. Se inscreve na lista de email para saber das novidades.

      Por último, invista em ferramentas de analise como o Google Analytics, Firebase, Flurry ou outros. Isso vai ser muito útil para definir suas ações, pois você consegue medir se o usuário volta todos os dias, quanto tempo ele utiliza o app, quais países e até cidades utilizam mais e etc.

      Bem, espero ter ajudado. Se tiver outras dúvidas me fale… é bom que já vou criando tópicos a serem abordados rsrs. Daqui já vai sair um post sobre Downloads e outro sobre ferramentas de análise.

      Abraços!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CommentLuv badge